O que muda para os engenheiros com a nova reforma trabalhista?

By | janeiro 16, 2018

reforma-trabalhista-2017Em Maio de 2017 foi lançada uma carta falando sobre a nova reforma trabalhista pela Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros. Nela, seu presidente, Clovis Nascimento, visou informar engenheiros sobre as mudanças em sua legislação de trabalho, além de alertar e falar sobre esse contexto.

Em seu texto, ele afirma que o país está sendo forçadamente incluso em uma crise política e econômica a fim de atender aos interesses de pessoas privilegiadas que de forma alguma prezam pela igualdade social. Assim, o lançamento da cartilha se deu em união com o Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC).

Clóvis permanece afirmando que a nova reforma trabalhista prevê apenas uma falsa promessa de geração de empregos, problema que tem afetado a área nos últimos anos. Além disso, ele chama o processo de “injusto e retrógrado”. Saiba mais sobre o que esperar dessa situação na posição de engenheiro.

Saiba mais sobre a nova reforma trabalhista

Em relação aos impactos causados em engenheiros e engenheiras, a nova reforma trabalhista, um dos mais notórios é a alteração do Salário Mínimo Profissional dos profissionais da área. Isso acontece porque negociações e acordos coletivos passam a valer acima da lei e ignoram a legislação.

Caso seja assim decidido, uma das leis mais inalteráveis da profissão engenharia é colocada de lado, especialmente em função de cláusulas que podem se dignar a pagar até dois salários mínimos para os profissionais. O engenheiro Clóvis continua a se indignar com o panorama da nova reforma trabalhista.

Segundo ele, todo esse processo foi ilegítimo e deve permanecer sendo foco de revoltas e manifestações pois, mesmo não podendo ser alterado, pode acabar por afetar seu gerenciamento e evitar que mais malefícios sejam causados aos profissionais dessa área e de muitas outras.

Saiba pontualmente o que muda na área da engenharia com a nova reforma trabalhista

As alterações mais importantes causadas no cotidiano dos engenheiros no que diz respeito à nova reforma trabalhista são:

1-) Se o local de trabalho oferecer benefícios coletivos a seus funcionários, pode ser que os engenheiros não possam obtê-los na prática. Isso porque, para ter acesso a esses benefícios, é preciso estar filiado à entidade que os celebrou.

2-) Pode ser que o profissional seja contratado apenas para trabalhar em alguns dias, meses ou períodos não fixos, ficando, após a contratação, esperando o posicionamento da empresa contratante para saber se será pago exclusivamente pelas horas trabalhas e se terá direito à benefícios, indenizações, férias e horas extras.

 3-) O período de trabalho diário pode chegar a atingir as 12 horas sem que haja o recebimento de hora extra. Em comparação à lei anterior, essa alteração é bastante grande, uma vez que o máximo que se podia obter de horas trabalhadas em um mês era de 176 horas.

4-) A homologação do profissional de engenharia que possua mais de um ano de ação na empresa não é mais obrigatória, não sendo mais necessário acessar a Delegacia Regional do trabalho ou o Sindicato da Categoria profissional.

5-) Engenheiras que estiverem grávidas ou lactantes não possuem mais barreiras para trabalhar em locais considerados insalubres por médicos e especialistas, que, anteriormente, podiam contestar se o local não era prejudicial para si mesma ou para o bebê.

6-) Qualquer ação tomada em função de seus direitos trabalhistas pode ser executado, agora, em seis meses. Antigamente, esse período se estendia a dois anos, oferecendo oportunidades para acertos em termos de salários mínimos nos últimos cinco anos e multas para má-fé na ação trabalhista.

7-) A lei antiga previa que os profissionais poderiam passar por 45 dias de experiência de trabalho, que posteriormente, poderia ser prorrogado por mais 45 dias. Atualmente, o contrato de experiência pode chegar a 9 meses, sendo 180 dias iniciais que podem ser dilatados por mais 90 dias.

😎 Agora, pessoas jurídicas podem ser contratadas com a nova reforma trabalhista. Além disso, pessoas e técnicos sem vínculo empregatício podem ser contratadas para executar funções de subordinação, bem como profissionais autônomos.

9-) É possível fazer o parcelamento de férias em até 3 períodos distintos, tendo que um deles, obrigatoriamente, ser maior do que 14 dias, enquanto os seguintes não podem ser inferiores a cinco dias. A remuneração, nesse caso, será proporcional.

10-) De acordo com a nova reforma trabalhista, o empregado pode ser mandado embora mediante “acordo”, sendo pago apenas 50% de seu aviso prévio, 20% da multa do FGTS e 80% do saldo do Fundo Trabalhista. Caso isso aconteça, o engenheiro perde direito ao seguro desemprego.

Agora que você sabe mais sobre a nova reforma trabalhista e sua relação com engenheiros e engenheiras, você está apto a conhecer mais os seus direitos e coloca-los em prática, além de ser capaz de compreender porque determinadas mudanças no ambiente de trabalho estão acontecendo.

Quer saber quais as empresas estão contratando Engenheiros hoje? Então conheça nossa Plataforma de Conexão e encontre oportunidades de emprego com o seu perfil. Para ver as vagas em destaque, Clique Aqui.

Avatar

Uma Plataforma de Conexão entre Engenheiros e empresas de Engenharia.